segunda-feira, 4 de junho de 2012

Parte das obras do Beira-Rio é interditada por risco aos operários

 
Segundo Superintendência Trabalho, funcionários 
estavam expostos a quedas e choques

Em razão de representar "risco grave e iminente" aos operários, parte das obras do Beira-Rio está interditada pela Superintendência Regional do Trabalho. A interrupção abrange um trecho de aproximadamente 100 metros, onde trabalhadores estariam correndo perigo de cair e levar choques elétricos. Auditores da superintendência também investigam supostas contratações ilegais na obra.

Os trabalhos estão suspensos desde 25 de abril na área problemática – situada no anel superior do estádio, em cima das sociais –, mas a interdição não havia sido divulgada.

– Alguns dias atrás, a empresa (Andrade Gutierrez, responsável pela obra) solicitou a liberação daquele trecho após adotar algumas medidas, mas entendemos que não foram suficientes – afirma Luiz Alfredo Scienza, auditor fiscal do Trabalho.

A legislação trabalhista proíbe que funcionários com atuação direta na obra – é o caso de pedreiros, por exemplo – sejam empregados de empresas terceirizadas. Eles devem ser contratados pela própria construtora.

– Recebemos denúncias e, durante a inspeção no local, observamos pessoas trabalhando em condições que mereciam averiguação – afirma Scienza.

O que diz a Andrade Gutierrez:

O gerente da reforma do Beira-Rio, engenheiro Lucio Matteucci, da Andrade Gutierrez, informa em nota que "o cronograma da obra está mantido", com conclusão prevista para dezembro de 2013. Segundo ele, a área interditada abrigava apenas "serviços preliminares".

Matteucci afirma que ações corretivas foram realizadas no trecho interditado, e um relatório foi encaminhado à Superintendência Regional do Trabalho, que solicitou novos esclarecimentos. A resposta da empresa está sendo providenciada.